quinta-feira, 23 de março de 2017

Kyoto, os Pagodes...

 
Bonitos os pagodes de várias alturas, grandes, pequenos, coloridos e com a sua arquitectura tão característica! Ainda gostava de perceber para que serviam tantos telhados!
 
 




sábado, 18 de março de 2017

Kyoto 3


 
O Hachidaime Gihey era um dos restaurantes recomendados pelo amigo da Ana em Kyoto. Não se podia reservar, era por ordem de chegada. Fomos cedo, mas já estavam pelo menos umas dez pessoas em fila cá fora. Quis aproveitar o tempo e desenhar a fachada, pelo que me coloquei no lado oposto da direção da dita fila. A menina que ia controlando quem chegava, disse que eu não podia estar ali. Começou o diálogo:
-Mas eu vou desenhar! Eu sou artista (para reforçar a coisa...)
-Mas vai almoçar, a fila é ali (e apontou)
-Mas eu quero desenhar deste lado
-Mas não pode, tem que estar daquele lado (e já quase a empurrar-me...)
-Então e depois de almoçar?
-Depois já pode. Agora não porque fica em frente a uma loja e incomoda essa loja.
Socorro!, pensei...
Fui à loja que eu estava a tapar, mas ninguém falava inglês. Eu dizia: Me, artista! e nada...
Só diziam que sim com a cabeça, o que no Japão pode não querer dizer obrigatoriamente sim..
Saí, veio outra menina lá de dentro do restaurante, tentei de novo contar a história, disse que as da loja tinham dito que eu podia estar ali, ela pensou, pensou, disse que sim com a cabeça e lá consegui desenhar.
Ufa!

 

Já agora, comemos muito bem!

Continuámos pelo Parque em direcção ao Templo Nanzen-ji. Bonitos os pórticos, os detalhes, as cores, as gueishas que passeavam em grupinhos e se deixavam fotografar com os turistas.
Queria desenhar uma delas, mas entretanto começou a nevar uma neve miudinha que não impediu o nosso passeio, e até posso dizer que lhe acrescentou uma beleza especial...






quinta-feira, 16 de março de 2017

Kyoto 2

 
O Templo dourado é outro dos locais a visitar em Kyoto. E também a desenhar, mesmo com o friozinho que se fazia sentir nos meus dedos...
Dizem que é mesmo revestido a ouro!
Impõem-se na paisagem rodeado de todos os tons de verde, junto a um lago em frente ao qual os visitantes tiram fotos, selfies, e me dão alguns encontrões aos quais eu sou completamente indiferente. Porque eu me acho diferente. Eu olho, eu vejo, eu capto um momento que é só meu...